É muito comum para quem está se preparando para o intercâmbio se questionar e procurar diversas fontes de informação sobre como funciona o trabalho no país que está indo morar. Pensando nisso, preparei um texto para responder dúvidas e curiosidades iniciais dos intercambistas que pretendem trabalhar e se sustentar na Irlanda. Poucos têm o privilégio de apenas estudar e viajar sem se preocupar com as contas. Então, para os que não estão nesse seleto grupo aqui vão algumas informações básicas sobre empregos na Ilha Esmeralda. Vale ressaltar também que o que abordarei está direcionado para os que recebem visto de estudante (Stamp 2). A realidade pode ser um pouco diferente para quem tem cidadania europeia ou visto de trabalho. No entanto, de início acaba que a maioria passa pelos trabalhos informais.

Para começar, esqueça a ideia de ter salário fixo por mês. Para nós estudantes, na Irlanda somos pagos por hora e, por lei é permitido trabalhar apenas 20 horas semanais em período de aulas e 40 horas em período de férias. E é aí que muitos me perguntam: é possível viver com salário de apenas 20 horas semanais? Vamos combinar que é missão quase impossível, tendo em vista os altos preços dos alugueis, o custo de vida elevado e ainda as viagens que todos querem fazer. No entanto, se você tiver a sorte grande de pagar um aluguel abaixo da média e não tiver pretensões de viagens pode ser que dê para se bancar. De qualquer forma, é mais comum do que se imagina fazer mais do que 20 horas mesmo em período de aula, seja conciliando dois trabalhos e fazendo os famosos “bicos”, ou trabalhando mais horas no mesmo lugar e se virando nos trinta pra dar conta de trabalhar, estudar e ter alguma vida social . A título de curiosidade o valor mínimo por hora é 9,80 euros já reajustado em 2019.

Um fato é preciso também ter em mente: você vai encontrar muitos brasileiros e provavelmente vai falar português grande parte do seu dia no serviço, na escola ou em casa. Uma boa dica para quem quer dar aquele up no inglês e fugir (em parte) dessa realidade é trabalhar como au pair. Pode ser uma oportunidade e tanto para aprender e praticar inglês todos os dias e ainda tem a vantagem de ser um trabalho que exige menos fisicamente se comparado com outros comuns para estudantes. No entanto, nem sempre trabalhar como babá significa “apenas” cuidar de crianças. Algumas famílias podem exigir tarefas domésticas e por isso é importante tirar todas as dúvidas na entrevista. Existem alguns sites e grupos que ajudam nessa procura para encontrar uma família, como o Kangoroo e Au pair Ireland.

Outro trabalho em que também é possível praticar mais inglês por estar em contato direto com pessoas nativas é o emprego de CarerGiver, ou seja, cuidar de idosos. Há muitas oportunidades em Dublin e na Europa de uma forma geral já que muitos moram sozinhos e precisam de assistência. Nesse trabalho normalmente o valor por hora é um pouco a mais do que o mínimo e tem a vantagem de ser mais flexível do que outros tipos de serviço. Existem diversas empresas espalhadas em Dublin que contratam estudantes regularmente.

No mais, existem vários tipos de trabalho em diversos setores: hotéis, restaurantes, cafés, pubs, mercados. O texto ficaria imenso se fosse falar sobre cada um aqui. O fato é que as oportunidades para praticar inglês estão espalhadas em vários lugares, não só no trabalho.

Outra dúvida comum é se o inglês muito básico pode ser um entrave na hora de conseguir o primeiro emprego. Obviamente é desvantagem se você concorre com qualquer outra pessoa que se comunica melhor, mas ainda assim há empregos em que é possível se candidatar sabendo o bê-á-bá do idioma. Já em relação ao tempo necessário para arrumar o primeiro emprego, varia muito. Alguns conseguem na primeira semana, outros quando o visto está para vencer já quase esgotando o dinheiro trazido do Brasil. Cada pessoa tem o seu tempo, mas eu posso quase garantir que tem oportunidade para todo mundo. O quase fica por conta do esforço pessoal de cada um. E para quem se pergunta sobre possíveis crises existenciais no decorrer do intercâmbio ao mudar radicalmente de emprego e encarar um trabalho informal, acredito que é sempre positivo encarar algumas fases da vida como algo temporário para atingir seus objetivos.